Pesquisar
Close this search box.

Tem Carimbó na memória da TV paraense

Campanha para o registro do Carimbó como Patrimônio Cultural Brasileiro, que tinha iniciado em 2014.

Neste domingo, 7 de junho, o Circular traz para a sua time line no Facebook (@ocircular), uma relíquia da TV Cultura do Pará, o programa Cultura PaiDégua. Exibido entre 2003 e 2008, pela emissora, fez história na televisão paraense, indo ao ar, toda quinta-feira, ao vivo. A revista cultura deixou saudades e como a época é de exaltar a cultura popular, não podia ficar de fora da nossa 31ª edição.

“As ações começaram a ser feitas, as pessoas começaram a ver com outros olhos. Muitos grupos se formaram, inclusive em regiões onde não havia Carimbó, como o polo Tapajós e Parauapebas. Na pesquisa para o registro, identificamos 200 grupos e hoje, podemos dizer que temos mais de 260 grupos de Carimbó.”

Em julho de 2008 foram ao ar os último programas, que pela primeira vez tiveram que ser gravados. Trouxeram sua própria memória para comemorar seis anos de atividades. Um dos episódios reuniu reportagens e entrevistas especiais sobre a campanha para o registro do Carimbó como Patrimônio Cultural Brasileiro, que tinha iniciado em 2014.

O programa, que estará em nosso Facebook, às 13h, rememora várias ações que foram desenvolvidas para que hoje o carimbó seja reconhecido como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial Brasileiro. O Cultura Paidégua mostrou entre outras coisas, uma sonora com o saudoso Mestre Cazuza.

Conversamos esta semana com Solange Loureiro, de Santarém Novo, integrante da Irmandade de Carimbó de São Benedito e diretora da Associação de Grupos de Carimbó do Estado do Pará. Ela conta que desde o registro como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, a prática foi mais valorizada.

“As ações começaram a ser feitas, as pessoas começaram a ver com outros olhos. Muitos grupos se formaram, inclusive em regiões onde não havia carimbó, como o polo Tapajós e Parauapebas. Na pesquisa para o registro, identificamos 200 grupos e hoje, podemos dizer que temos mais de 260 grupos de carimbó”.

Ela explica também que as ações para salvaguarda do patrimônio continuam. São atividades voltadas para a formação, realização de festivais e de editais, alguns com recursos liberados, mas que por conta do isolamento social ainda não estão podendo ser executados, como o 3º Congresso de Carimbó.

Atualmente mestres e grupos lutam para manter suas atividades, ameaçadas pela ausência de política pública no atua governo. Em 2019, foram extintos os comitês de salvaguarda de todo o país, entre eles o do Carimbó.

NOSSA PROGRAMAÇÃO – ACESSE

Domingo, 7 de junho
Programa Cultura Paidégua – 13h
Confira tudo que vai rolar na 31ª edição: https://bit.ly/Circular31

Atualizado: 7 de jun. de 2021

3fbbcb_55bf8a5f34574068bfce1172ee5886b9~mv2

Praças históricas de Belém passam por obras

3 anos atrás

3fbbcb_86f892ce54934500b7bda9ac0774f496~mv2

Em foco a regularização de áreas tombadas

4 anos atrás

3fbbcb_adfb50536fc64f438797c73a9f70f7dc~mv2

IPHAN: prédios históricos abandonados

3 anos atrás

3fbbcb_25186158bae546faba98dca65d20f36f~mv2

Tem Carimbó na memória da TV paraense

4 anos atrás

3fbbcb_0f2e9e242345406db3fa200c8a3d0b63~mv2

Edição traz Pássaro Junino e Boi de Máscaras

4 anos atrás

3fbbcb_9fd89e7f381f458f83f912276cc49139~mv2

Dúvida e expectativa no Mercado de São Brás

4 anos atrás

Assine nossa news e receba todas as novidades sobre o Projeto Circular